Posts

Distúrbios da Tireóide, seus sintomas e como eles podem afetar sua saúde e sua beleza

Imagem: reprodução

[Atualizei esta matéria e publicando-a novamente, já que se trata de uma das mais vistas do blog e por ter algumas informações adicionais no meu histórico que acho que vale à pena passar para quem lê, já que muitas pessoas chegam à este post através da busca do Google]

Volta e meia comentava aqui no blog que sofria de um distúrbio na tireóide (hipertireoidismo) e que ele me trouxe certas consequências, inclusive que influenciam na parte estética.

Fiz esse post para explicar para vocês melhor sobre os sintomas destes distúrbios – hipertireoidismo, hipotireoidismo e síndrome de Hashimoto – e quem sabe ajudar mais gente que esteja sofrendo de alguns deles e desconheça os sintomas.

Muita gente fala: “Ah, estou com tireóide”.

Tireóide todo mundo tem. É uma das glândulas mais importantes do nosso organismo, localizada na parte anterior do pescoço e produz os hormônios T3 (tiiodotironina) e T4 (tiroxina) que atuam em todo o nosso organismo, regulando o crescimento, digestão e o metabolismo.

Quando a tireóide não está funcionando adequadamente pode liberar hormônios em excesso (hipertireoidismo) ou em quantidade insuficiente (hipotireoidismo), que influenciam  não só o  metabolismo, mas algumas outras áreas, por conta dos seus sintomas.

Os fatores que causam estes distúrbios são diversos. Não é algo que você “pega”, mas que seu organismo, por algum motivo desenvolve e isto faz com que sua tireóide se descontrole.

Fatores genéticos também contribuem para o desenvolvimento destas disfunções.

Não há como se prevenir e seu diagnóstico é feito por dosagem hormonal em exame de sangue, em consulta ao endocrinologista.

Hipertireoidismo:

É o funcionamento excessivo da tireóide. Seus sintomas nem sempre são facilmente reconhecíveis ou surgem como sintomas variado, como tremores, desconforto e fraqueza, taquicardia. Pode ser uma doença grave e séria se não for adequadamente tratado.

Os principais sintomas são:

• taquicardia

• apetite acima do normal

• perda de peso

• nervosismo, ansiedade e inquietação, alternados com períodos de sono em excesso e depressão.

• intolerância ao calor

• sudorese aumentada

• fadiga e cãibras musculares

• evacuações freqüentes

• irregularidades menstruais

• Retração das pálpebras

• Bócio (inchaço na região do pescoço)

É o distúrbio que eu tive e tratei. Descobri em uma das visitas que fiz à minha mãe, que ao ver minha aparência (e os olhos saltados), recomendou que eu consultasse um endocrino (por que ela também sofre de hiper). Dito e feito.

Fiz um tratamento a longo prazo, tentando equilibrar os níveis dos hormônios – o que levou um ano. Nesse período não pude praticar atividades físicas (por causa da taquicardia).

Na parte estética, eu emagreci muito – o que pode parecer maravilhoso, mas a aparência “de caveira” com os olhos excessivamente arregalados não tem nada de bonita – e comecei a ter uma maior predisposição à acne, especialmente no rosto (coisa que não tive nem na adolescência).

Tinha um apetite voraz, comia muito. Ainda bem que não engordava.

Os tremores e a taquicardia eram o que mais me incomodavam. Estava sempre ligada, parecia que tinha tomado Red Bull todos os dias. Era algo desesperador deitar na cama para dormir e  seu coração parecer uma bateria de escola de samba.

Também tive queda de cabelo.

Mas não tive irregularidade menstrual.

Por sorte, não tive nódulos nem tive que fazer nenhum tratamento invasivo – como ocorreu com a minha mãe.

Já tive a dosagem hormonal mais controlada e em “fase de remissão” (diminuição da medicação), mas mesmo assim o hipertireoidismo voltou a toda depois de um tempo. Até que a minha atual endocrinologista me sugeriu uma “solução definitiva” para o caso, através do tratamento com iodo radioativo, que no meu caso seria o recomendado, já que tenho histórico familiar de doenças cardiovasculares e o hipertireoidismo aumentaria as chances de isso acontecer.

Este tratamento consiste primeiro em uma avaliação completa feita por um médico especialista em radioterapia (radioterapeuta) que avalia a situação e indica a dose de iodo radioativo recomendada para o seu caso.

Indicada a dose, você faz a ingestão (via oral) da dose recomendada. No meu caso, não foi necessário internação, apenas alguns cuidados básicos por três dias.

[Para mais detalhes de como funciona este tratamento leia esta matéria]

O objetivo, em termos simples, era “queimar minha tireóide”. Com isso, poderia não ter mais nenhuma disfunção, ou desenvolver hipotireoidismo – que no entendimento da médica é mais fácil de contornar  e traria menos efeitos colaterais (no meu caso).

Depois de quatro meses (sendo acompanhada pela médica), desenvolvi hipotireoidismo e comecei o tratamento hormonal para o distúrbio – tratamento este que irá durar para toda a vida (ou até a medicina descobrir uma solução efetiva para o caso).

Ainda falando do “hiper”, alguns médicos não recomendam engravidar no período inicial do tratamento para hipertireoidismo, para não levar a um hipotireoidismo gestacional.

Alguns pacientes com hiper ainda podem desenvolver a chamada “Doença de Graves“, que é uma doença autoimune onde o corpo inapropriadamente passa a produzir anticorpos contra a própria tireóide. Os anticorpos atacam não só a tireóide, mas também os músculos e o tecido gorduroso da região ao redor dos olhos.

Essa agressão causa lesão e edema da musculatura extra-ocular, levando a uma protusão do olho, além de inchaço e inflamação ao seu redor. Em termos práticos, os olhos ficam bem abertos e com tendência muito grande à irritação e vermelhidão.

Tive Graves nas duas “crises” de hipertireoidismo, sendo que, na segunda, foi um pouco mais aguda – outro motivo que levou a especialista a indicar o tratamento com iodo radioativo.

Hipotireoidismo:

É o funcionamento lento da tireóide.

A taxa de funcionamento normal do corpo diminui causando lentidão mental e física. Os principais fatores de risco são idade superior a 50 anos, sexo feminino, obesidade, cirurgia de retirada da tireóide e exposição prolongada a radiação.

Pode variar de leve – apresentando um quadro de depressão em que o diagnóstico de hipotireoidismo pode passar desapercebido – a grave – mixedema, caracterizada pelo inchaço de todo o corpo.

As causas mais comuns de hipotireoidismo são: doença de Hashimoto (uma doença auto-imune); tratamento do hipertireoidismo com iodo radiativo; retirada cirúrgica da tireóide para tratar hipertireoidismo ou tumor; uso prévio de medicamentos antitireóideos; pós-parto (transitório em 60-70% dos casos); uso de certos medicamentos como lítio, amiodarona, iodeto e interferon alfa; deficiência na regulação da glândula; inflamação da tireóide; deficiência de iodo (substância importante para a produção dos hormônios tireoidianos) e resistência generalizada ao hormônio tireóideo.

Os principais sintomas do hipotireoidismo são:

• fraqueza e cansaço,
• intolerância ao frio,
• intestino preso,
• ganho de peso,
• depressão,
• dor muscular e nas articulações,
• unhas finas e quebradiças,
• enfraquecimento do cabelo,
• palidez.

Outros sintomas que podem aparecer mais tardiamente são: fala lenta, pele ressecada e espessada, inchaço de mãos, pés e face, diminuição do paladar e olfato, rouquidão, menstruação irregular, dentre outros.

Também é diagnosticada através de dosagem hormonal. O sintoma mais comum (e que muitas vezes acaba levando a pessoa ao diagnóstico) é a dificuldade em perder peso.

Se o tratamento do hipertireoidismo for feito de maneira inadequada, pode levar ao hipo. Por isso, são necessárias visitas ao endocrino de seis em seis meses, pelo menos.

Foi o distúrbio que desenvolvi após o tratamento com iodo radioativo. Como o acompanhamento no meu caso foi bem feito, descobri logo no início e as “consequências” do hipo para mim foram em menor grau. Tive um (leve) aumento de peso (e dificuldade para perder o peso adquirido), inchaço/retenção de líquido, muito cansaço, sono de dia e insônia à noite.

Estou na segunda semana de dosagem hormonal (a introdução do T4 é feita de maneira progressiva). Ainda não senti nenhuma evolução no quadro, mas a endocrinologista disse que esta só será percebida depois que começar a dosagem plena do hormônio.

[Volto aqui mais uma vez para contar como meu quadro evoluiu]

Síndrome de Hashimoto:

Derivada do hipotireoidismo, é uma doença auto-imune, onde o próprio organismo desenvolve anticorpos contra a glândula tireóide.

Ocorre mais freqüentemente em mulheres e em pessoas que apresentam alguma predisposição genética, uma vez que a doença acomete diversas pessoas em uma mesma família.

Geralmente, os anticorpos são contra enzimas existentes na glândula (anticorpos antimicrossomais e antitireoperoxidase) ou contra a tireoglobulina, que é uma das mais importantes proteínas existentes na tireóide.

As alterações oriundas desta síndrome podem ser: envolvimento das adrenais, paratireóides, gônadas e produção de glóbulos vermelhos (anemia). Estes primeiros sintomas normalmente ocorrem se a síndrome se desenvolve durante a infância.

Outras alterações: Diabetes Mellitus, envolvimento das gônadas e da pele (vitiligo).

O diagnóstico também é realizado via dosagem hormonal e seu tratamento pode ser feito através de medicação para regular os hormônios da tireóide – se oriunda do hipotireoidismo – ou por controle hormonal (se os hormônios não tiverem em doses alteradas).

Algo que não deve acontecer é associar dificuldade em emagrecer somente aos distúrbios da tireóide. Durante o tratamento, ouvi em salas de espera de consultórios/laboratórios: “Ah estou gordinha, só pode ser tireóide“. E depois de ir ao endocrinologista a pessoa se decepcionar porque seu problema de aumento de peso não tinha nada a ver com isso.

Também soube de certos “endocrinologistas” que  indicam às suas pacientes medicação para hipotireoidismo, visando o emagrecimento, mesmo sem a pessoa ter nenhum distúrbio da tireóide.

Prática perigosíssima para se obter perda de peso, na minha opinião.

Outra coisa que acho engraçada: associar endocrinologista a “médico emagrecedor”. Endócrino lida com glândulas, hormônios e auxilia caso o funcionamento destes não esteja adequado.

Isso tem acontecido muito também com certos médicos, que se autointitulam “Ortomoleculares”.

O inconveninente disso é que vemos médicos pouco confiáveis praticando estas especialidades inadequadamente, indicando tratamentos que podem ser desnecessários, passando fórmulas mirabolantes, com promessas de efeitos a curto prazo.

Portanto, fiquem atentos. Médico sério não indica nenhum “tratamento rapidinho” nem “dão jeitinho” para estes tipos de disfunções, porque sabem que merecem atenção e cuidado no tratamento, por causa dos seus efeitos colaterais.

[Fontes para esta matéria: sites Boa SaúdeMD.Saúde e ABC da Saúde]

Aviso:

Esta matéria tem o intuito meramente informativo.

Não temos como fazer nenhuma avaliação médica, nem podemos indicar medicamentos, tratamentos e soluções para casos relatados no espaço dos comentários por não sermos da área médica.

Mesmo que dispuséssemos de um profissional da área em nossa equipe, não estaríamos autorizados a indicar tratamentos por serem disfunções com várias nuances e sintomas e, portanto, devem ser acompanhadas pessoalmente por um endocrinologista, caso a caso.

Atenciosamente,

Equipe Dazzleblog


 
 Política de conteúdo e divulgação: 
Os produtos e serviços resenhados e mostrados no DZLBLOG pertencem à autora ou são cedidos pelas empresas ou estabelecimentos em cartáter de cortesia e/ou divulgação. 
As considerações feitas sobre os produtos e serviços testados/mostrados refletem as reais opiniões da editora.
Em caso de publicidade, os referidos posts levarão as "tags" #ad ou publieditorial.

45 Comentários

  1. Ilka

    3 de junho de 2013 em 21:18

    Oi Clau!
    Mto boa a matéria, já a tinha lido antes e gosto de acompanhar os updates.
    Fico feliz que vc esteja alcançando o equilíbrio nessa “bipolaridade” dos nossos hormônios.
    bjm e fique com Deus.

    1. Clau

      6 de junho de 2013 em 20:07

      Ilka,
      Depois de dois anos (depois do diagnóstico de hipotireoidismo) e muito acompanhamento, finalmente cheguei na fase equilibrada, com a dosagem ideal de medicação para mim. Ainda brigo um pouco com a balança mas já estou um pouco mais habituada.

      Bjs

    2. Cleusa

      7 de junho de 2013 em 13:24

      Boa Tarde!! gostei muito de sua matéria. estou com um mês e pouco de medicamento e o que mais me incomoda também é o aumento de peso eu entrei na academia, vou todos os dias de bicicleta diminuí no açúcar e massa, porém o peso continua aumentando estou bastante preocupada. vc acha que ainda volto ao meu peso normal? já não sei mais o que fazer. Me de uma noticia Boa por favor

      1. Clau

        8 de junho de 2013 em 19:12

        Cleusa, ainda é muito cedo para os resultados começarem a aparecer. Com a ajuda da sua endócrino e acompanhamento regular, tenho certeza que você irá aprender a lidar com o peso.

        Boa sorte!

    3. Cleusa

      10 de junho de 2013 em 13:41

      OK!! agradeço a sua atenção!!!

  2. Cleusa Galvao

    7 de maio de 2013 em 14:34

    Boa Tarde!! Meu nome é Cleuza, tenho 35 anos e a poucos dias fui a um ginecologista e resolvi fazer uma checape de exames e nos resultados deu alteração na tireoide engordei 16 quilos rapidamente ja procurei uma endoc e ela me passou um medicamento chamado puran de 75 miligramas, gostaria de saber se eu poderia tomar algum medicamento natural para ajudar a perder peso?

    1. Clau

      14 de maio de 2013 em 12:40

      Cleusa,
      Você deve procurar um endocrinologista que irá te indicar o tratamento adequado para a tireóide.
      Não podemos dar pareceres nem dicas primeiro, porque não somos médicas e, depois porque cada caso deve ser acompanhado pessoalmente por um profissional, que irá lhe avaliar minuciosamente.

  3. Clicia

    10 de março de 2013 em 20:22

    hipor e tbm com ovario mecropolicistico dai estou ganhado mto peso rapido de mais e queria tirar a tireoide? posso tirar?

    1. Clau

      10 de março de 2013 em 20:24

      Na sua dúvida, somente um médico pode lhe orientar. Porém, acredito que seja impossível viver sem a glândula, já que ela é importante para várias funções do organismo.
      Fazendo o tratamento adequado, o controle dos efeitos da hipo é bem melhor. Atividade física também é fundamental para contornar o problema do inchaço e do ganho de peso. Infelizmente, a gente tem que adequar-se ao distúrbio para viver melhor, já que é um tratamento para a vida toda.

  4. vanessa

    27 de fevereiro de 2013 em 23:26

    tenho hiper so q sou mt inresponsavel n tomo medicacao corretamento e meu problema fica osilando.

  5. fran

    5 de novembro de 2012 em 21:29

    gostaria de saber se meu cabelo vai cair e se vou ficar totalmente careca

    1. Clau

      7 de novembro de 2012 em 09:18

      Fran, não posso te afirmar com certeza, porque não sou da área médica, falo apenas sobre a experiência que tive.
      Mas, até onde sei, é apenas uma queda moderada. O ideal é você se informar com o médico que faz seu tratamento que lhe indicará um suplemento vitamínico, caso seja necessário.

  6. italo

    12 de setembro de 2012 em 18:08

    eu sou muito magro e fui no medico e ele me disse o que fazer mas eu não entendi muito mas ele disse que era um poblema na tiroide disse que o meu corpo gastava muita energia em exesso isso tem cura ?

    1. Clau

      12 de setembro de 2012 em 18:56

      Provavelmente você tem hipertireoidismo. Ele deve ter lhe pedido exames ou indicado uma medicação. Para melhora dos sintomas, é necessário o uso da medicação indicada e visitas periódicas ao médico. Só ele poderá avaliar seu caso e tempo de tratamento.

    2. fabiana

      28 de agosto de 2014 em 03:52

      o que fazer para tentar esconder os olhos arregalados e as pálpebras gorda porque esse eo meu caso operei a a tiroidi mas fiquei assim

      fabiana

      1. Clau

        28 de agosto de 2014 em 12:54

        Fabiana, o ideal seria conversar com seu endocrino, porque esses efeitos oriundos da cirurgia, não tenho conhecimento, pois não sou médica.
        Não sei se a pálpebra gordinha é devido a algum corticóide que você tenha tomado pós cirurgia, o que, nesse caso, pode ser temporário. Por isso, o recomendável realmente é conversar com o médico que te acompanha.
        Para disfarçar o gordinho da pálpebra, começar a maquiagem com uma sombra opaca em tom de marrom ou acinzentado (taupe ou malva) em toda a palpebra, ajuda a disfarçar.
        Para o olho aberto, delineado mais grosso na parte superior e inferior e na linha d’água, com lapis preto, cinza chumbo ou marrom café, ajudam a disfarçar.

  7. Rani

    6 de setembro de 2011 em 09:06

    Oi Clau!

    Há pouco tempo fui ao médico devido a taquicardia, ela me solicitou o exame de sangue e nele acusou que eu tenho hipo. Apesar de ter todos os sintomas relacionados a hiper (tremores, taquicardia, magreza excessiva), já agendei uma consulta ao endocrinologista para podermos verificar o que está havendo, por enquanto tenho tomado atenolol para o coração, mas só até realmente descobrirmos o que está havendo com a minha tireóide. Excelente post, acabei descobrindo muita coisa que eu não conhecia a respeito dessa disfunção.

    Beijocas

    1. Clau

      6 de setembro de 2011 em 10:00

      Rani,
      Às vezes por fatores externos, podemos desenvolver uma ou outra disfunção com sintomas meio diversos. Na segunda vez que minha hiper retornou, não emagreci (engordei, por sinal) e a taquicardia era mais controlada. A médica acredita que por causa da corrida, atividade física mais regular e por estar em um ritmo de vida totalmente diferente da primeira "crise", os sintomas variaram.
      Em compensação, tive "Doença de Graves" (que deixa o olho aberto e bem irritado) de maneira bem mais acentuada.
      Nessa segunda vez fiz muitos exames, inclusive uma ultrassonografia detalhada da região para que se verificasse bem o que poderia estar acontecendo.

      Boa sorte e faça o acompanhamento direitinho que rapidinho você obterá melhora.

  8. Bruna R.

    23 de maio de 2011 em 14:16

    ótima matéria, Clau!

    apenas 2 sintomas não se encaixaram… mais o histórico familiar: vou procurar um endócrino por aqui para investigar…

    =)

    1. Clau

      23 de maio de 2011 em 14:59

      Bruna,
      Comece a procurar um Endocrino já. Aqui em Brasília, consulta vc só consegue para daqui a, no mínimo, três meses.
      Boa sorte!

  9. Cinthya Franco Porto

    22 de fevereiro de 2011 em 14:25

    Olá,eu tenho o hiper eu acho pq sinto sintomas quase dos dois,tando o hipo quanto o hiper,mas o que realmente queria e que essa escola de samba do meu coração se acalmasse pq é muito ruim,eu durmo e quando acordo ou no meio do sono,um tremor coração amil,fico morrendo de medo,mas depois passa mas na hora é horrivél,fora que as vezes tenho um desconforto tipo ataque cardiaco na rua,parece que vou dá um troço,o que vc acha,será que eu posso melhorar,eu tomo puran t4 25 mg e faço o uso de bombinha seretide 50/100mcg,pq tenho muita falta de ar,bom também estou com dúvida minha filha de 6 anos começou a 1 ano com uma dor de cabeça que remédio só alivia,vc acha que pode ser também problema de tireóide e ela come muito ela pesa 30 quilos e anda cheia de mal estar de ansia de vomito,mas verme descartei pq ja cuidei,e queria tirar essa dúvida . E tenho uma de 11 anos que é magrinha e pesa o mesmo peso dela,o que devo fazer,um abraço aguardo o retorno!!!

    1. Clau

      22 de fevereiro de 2011 em 18:26

      Cinthya,

      Você deve conversar com um endocrinologista para ver se é o caso de mudança de medicação ou tratamento complementar

      No caso de suas filhas, descreva os sintomas para o médico delas.

      Não tenho condições de avaliar sintomas nem dosagens de medicamentos porque não sou médica.
      Esta postagem é apenas informativa.

      Bjs

  10. edson ferreira

    17 de fevereiro de 2011 em 14:10

    oieee tenho 32 anos e descobri q tenho essa tireóide q emagrace a mais de 7 anos já , minha endocrionologista mandou p/ eu então tomar iodo , agora tenha a q engorda mais esta bem mais controlada .Mais o q me deixa triste é q meus olhos estão um pouco saltados e ñ estão voltando ao normal. e com isso me colocam até apelidos grotescos no trabalho , então gostaria de saber se tem como fazer uma cirurgia ou algo p/ melhorar minha vista saltada . obrigado e aguardo ansioso por resposta positivas.se alguem mais souber de algo q me ajude com isso… obrigado

    1. Clau

      17 de fevereiro de 2011 em 15:45

      Acho que você deve conversar com seu endocrinologista. O problema dos olhos saltados é um "efeito" colateral decorrente da disfunção da tireóide chamado Doença de Graves.
      Como não sou médica, não sei os tratamentos. Mas pesquisarei com a minha médica na próxima consulta e se tiver alguma novidade retorno a vocês.

    2. edson ferreira

      24 de fevereiro de 2011 em 14:29

      obrigaduu por me responder CLAU e aguardo novidades suas a respeito do assunto.

  11. Sueli

    12 de fevereiro de 2011 em 16:10

    Oi Clau, acabei de saber que provavelmente estou com hipertireoidismo, exames de sangue solicitadas pela minha ginecologista já levantavam suspeitas de prblemas com a tiroide, mas comecei a perceber que meu olho esquerdo estava ficando mais aberto que o direito… e resolvi consultar o oftamologista que não teve duvida, mas mesmo assim solicitou uma tumografia em carater de urgência, assim começo com a medicação, mas pelo verifiquei no seu texto este tratamento deve demorar de 1 a 2 anos…paciência não é mesmo? bjs e obrigada

    1. Clau

      12 de fevereiro de 2011 em 16:41

      Sueli,
      O tratamento varia de pessoa para pessoa. Tem gente que reage mais rapidamente.
      No meu caso, como a taxa do hormônio estava muito baixa, levou quase dois anos para chegar ao normal. Mesmo assim, depois de um tempo, mesmo tomando a medicação, meu hiper voltou, com a Doença de Graves (que faz o olho ficar aberto) até pior, porque dessa vez se manifestou em apenas um dos olhos.
      Você acredita que nunca haviam me requisitado um eco-doppler para a verificação de nódulos?
      Consultei uma nova endocrino, que me ofereceu uma opção de tratamento definitivo, com carga de iodo. Ainda não sei detalhes porque tive apenas uma conversa preliminar com ela. Em março retornarei à consulta com os exames que ela requisitou, saberei mais detalhes e atualizo a postagem.

      Boa sorte com seu tratamento. O primeiro passo já foi dado, agora é só uma questão de tempo.

      Bjs

  12. veronica

    30 de dezembro de 2010 em 06:41

    Oi pessoal!

    Desobri a pouco tempo que estou com hipertireoidismo.

    Algo esta me incomodando, talvez vcs possam me ajudar. Tenho sentido muita falta de ar e sensação de desconforto no pescoço. Teria isso a ver com algum cheiro forte, a saber, que tenho alergia a tais aromas?

    Obrigada!

    1. Clau

      31 de dezembro de 2010 em 07:28

      Veronica, o ideal é consultar seu endocrinologista que irá analisar se é algum efeito relacionado ao hiper ou à medicação para o tratamento.

      Bjs

  13. Fernanda

    24 de novembro de 2010 em 14:23

    Oi, Clau.

    Muito importante seu post sobre hipotireoidismo. É tão importante esclarecer que alguns sintomas tão comuns no cotidiano podem indicar distúrbios na tireoide.

    Aproveitando, vou deixar uma dica:

    Acontece nesta sexta, dia 26, às 14h, um chat sobre tireoide no site http://www.mulhersemfalta.com.br. Na ocasião, a médica endocrinologista Dra. Gisah Amaral fala sobre a relação entre gestação, aborto espontâneo e a glândula tireoide. Ela usa o espaço para esclarecer as principais dúvidas acerca do tema.

    Como o assunto é pertinente ao seu blog, seria interessante se seus leitores pudessem participar.

    Abç,

    Fernanda

    Agência Ideal

  14. Pamella rRibeiro

    29 de outubro de 2010 em 08:19

    Oieeee eu tenho Hipertireoidismo e ja trato a quase 1 ano.. ja estou diminuindo os remediosss poremm…. emagreci e praticamente todos os sintomas voltaram… minha medica diz que é normall…..porem axo estranhoooo..pois ja estava bem nem taquecardia tinha mais……

    1. Clau

      29 de outubro de 2010 em 08:55

      Pamela,
      Isso varia de médico para médico.
      O meu achou melhor continuar por mais um ano com a medicação na dose mínima, diária, justamente com receio de os sintomas voltarem.
      Quem tem um distúrbio sabe que tem que tratar ou controlar para o resto da vida.

      No seu lugar, procuraria uma segunda opinião médica.
      Bjs

  15. Lais

    27 de outubro de 2010 em 07:35

    Clau tenho uma duvida

    quando a pessoa tem tiroide e os olhos ficam saltados

    com o tratamento eles voltam ao normal?

    1. Clau

      27 de outubro de 2010 em 09:30

      Melhora bastante, Lais.
      Não só pq vc perde aquela aparência magra, como o que causa o olho projetado regride. No meu caso, não foi muito rápido não.

      Bjs

  16. Mi

    24 de outubro de 2010 em 21:18

    É amiga, lido com minha hipo desde os onze anos. Já passei pelo susto de ter vários nódulos na bendita tireóide(que graças a Deus, regrediram com a medicação) e pelo susto de desenvolver hashimoto (depois de um período de estresse profundo)…

    Comigo, ainda que os níveis hormonais estejam regularizados e a alimentação, balanceada, não há melhora na fraqueza das unhas, queda de cabelo e variações de peso. E sinto um calor infernal o tempo inteiro…

    Por isso, endócrino de seis em seis meses!

  17. Inez BsB

    20 de outubro de 2010 em 18:03

    Oi Clau !!

    Gostaria de acrescentar que disturbios da Tireoide podem estar relacionados a infarto em pessoas fora dos grupos de risco de cardiopatias…

    Tenho uma irmã, jovem, não fumante, não sedentária, hipo-tensa (tem pressão baixa) que infartou de forma bem grave aos 37 anos. Quase 'embarcou' se não fosse a atenção rápida e eficaz de uma boa cardiologista.

    Chegou a ficar em UTI por 30 dias. Atualmente está 'ótima' (aposentada) mas bem atuante na vida diária…

    Bjs

    1. Inez BsB

      20 de outubro de 2010 em 18:24

      Esqueci de dizer:

      Tb faço meu controle de T3, T4, TSH regularmente….. sempre tive a exoftalmia, porém sempre tive minhas txas dentro da normalidade….

      Parece que tive um 'surto' de hipertireoidismo e que meu organismo equilibrou sozinho….

      Vendo fotos tipo escolares, dá para perceber a alteração bem visível em uma certa época de minha vida. E desde então faço o controle, e ao contrário das mulheres da minha familia, ( que não tem alterações visíveis), sou a unica que tem as taxas normais….

      Mas para te deixar mais alegrinha, meus olhos eram mais abertos que os seus, e sempre me incomodaram muito, mas com a idade passando , a gravidade,rsrsrs, as pálpebras caíram e agora estou bem satisfeita com o resultado da natureza!!!!

      Algumas pessoas falam que eu deveria fazer uma plástica para tirar este excesso de pele, mas quando eu falo que agora está melhor do que antes elas acham graça…..

  18. Mônica

    19 de outubro de 2010 em 18:01

    Tb trato da minha tireóide, tenho hipo e descobri em exames de sangue de rotina que minha ginecologista pediu há anos atrás. Minha dose sempre foi regular, nem durante a gravidez precisei alterar, só que após o nascimento da minha filha minha tireóide resolveu endoidar e surtou…precisei aumentar a dose e no momento estou em fase de adaptação à nova dosagem. O sintoma que me pega meeeesmo é a dificuldade em perder peso. Outra coisa ruim foi que após a descoberta tive que deixar de ser doadora de sangue…uma pena. Meus exames só realizo em um laboratório específico em dosagem hormonal, pq por incrível que pareça até com a saúde da gente tem uns picaretas que brincam.

  19. Etiene

    18 de outubro de 2010 em 17:10

    Excelente post Clau!

    Acho que disfunções de tireóide são mais comuns do que imaginamos.

    Tenho Tireoidite de Hashimoto desde os 19 anos e sofro para me manter no peso!

    É muito importante acompanhamento médico!

    Bjs

    1. Mari

      19 de outubro de 2010 em 11:24

      minha primeira endocrino se assustou quando viu q eu tinha hashimoto… ela disse q eu era a pessoa mais nova que ela ja tinha visto… eu tinha uns 18 na epoca… pq segundo ela, hashimoto é só em mulheres de mais idade…

  20. Roberta Souza

    18 de outubro de 2010 em 15:35

    Clau, essa tua matéria veio em ótima hora!!!

    Andei sentido algumas palpitações, coração acelerado, o que causa um desconforto péssimo. Foi bem como tu disse, eu deitava e sentia o coração pulsar, além do nervosismo e da ansiedade. Fui no cardiologista e os exames do coração estão normais, mas minhas taxas de T3 e T4 estão um pouco acima do limite (descobri hoje, por sinal). A médica disse que a alteração é pequena, mas me encaminhou a um endocrinologista.

    Bjos

    Ro

    1. Clau

      18 de outubro de 2010 em 16:33

      Oi Roberta,
      É bom mesmo investigar. E faça o exame no melhor laboratório daí.

      Bjs

  21. Raquel

    18 de outubro de 2010 em 11:06

    Gostei do post, bem esclarecedor. Tenho hipotireoidismo e sofri um bocado até o diagnóstico. Quando comecei com a medicação minha vida melhorou 200%. Por isso a importância de ficar alerta aos sintomas e se consultar com um bom médico.

    bjo

  22. Mari

    18 de outubro de 2010 em 06:44

    oi, Clau!

    tem um tempo q eu nao comento!

    acho importante esclarecer que nem todos os sintomas acontecem….

    eu tenho hipo e hashimoto e sou magrinha… tenho uma dificuldade enorme de ganhar peso.. e perco rapidinho!

    eu faço a tratamento ha anos e a minha dose nunca se estabiliza… to sempre mudando a dosagem do remedio!

    e uma coisa util q descobri hj… tenham mt cuidado com os laboratórios!

    fui na minha medica semana passada e ela disse q pelos meus sintomas manteria a minha dose e pelo exame que fiz no Helion Povoa, aumentaria.

    na mesma semana seguinte fiz um exame no Sergio Franco… mantive a minha dose… pois o resultado estava dentro dos valores permitidos!!! louco isso, ne?!

    entao o cuidado nao tem q ser so com os medicos, mas tb c os laboratorios…

    bjss

    1. Clau

      18 de outubro de 2010 em 07:02

      Mari, você lembrou de um detalhe realmente importante. Meu médico alertou para isso também.

      Isso dos sintomas pode variar. Essa reclamação da hipo (aumento de peso) coloquei porque é comum de ouvir de várias pessoas que sofrem do distúrbio.

      Bjs

Deixe sua opinião ou comentário