Posts

USA 101

[5ª Avenida. Foto reproduzida]

Antes de começar a falar para vocês sobre produtos e coisas que vi durante a viagem, há algumas coisas no geral acho legal contar e que quem não tem o hábito de viajar para lá pode não saber:

Os americanos são (ou estão) obsecados por produtos germicidas, bactericidas ou “esterelizantes”

Nas drugstores tem quase um corredor só desse tipo de produto, em todos os tamanhos que você possa imaginar.

Até a Victoria’s Secrets tem sua versão de ”alcongel“.

Cheguei à conclusão de que isso acontece porque os locais onde circula muita gente públicos (incluam-se os Mc Donald’s e Starbucks da vida) deixam a desejar em termos de limpeza. Especialmente em NY (em Miami isso se percebe menos).

[Não vou nem falar do metrô de Nova Iorque, nem do Ratatouille que vi andando nos trilhos, com um biscoitinho na boca…rs]

Serviços de qualquer tipo são caros. Por isso, eles são adeptos do DIY (Do It Yourself, ou faça você mesmo).

Meu povo, um pé e mão em NY custa U$ 40. Cheguei a ver depilação de virilha (que eles chamam de brazilian) pelo mesmo preço.

Tem que ganhar bem lá meu povo! Porque imagina desembolsar oitentão todo mês só pra fazer a virilha.

Por isso mesmo,  são os reis dos apetrechos.

Uma farmácia nos EUA é pra deixar uma pessoa como eu hiperventilada. Esse vidrinho de shampoo pequeno da gente, é miséria para eles.

Tem produto pra tudo no mundo, minha gente!

[Vou fazer uma matéria só sobre as farmácias]

Nos hotéis:

Shampoo, condicionador e hidratante são super usáveis. E em todos os quartos tem secador.

Um detalhe: o nosso plug de tomada (redondo) não se encaixa nas tomadas deles. Mas existem adaptadores para vender até no aeroporto.

Alguns hotéis têm rádio relógio com adaptador para IPod, que também serve como carregador.

Eles pensam em tudo e estão preparados para quase tudo.

Nos museus e maioria dos monumentos existe lugar para se guardar casacos, bolsas e guarda-chuvas – até porque em alguns fotos não são permitidas e daí você só pode levar o seu corpo mesmo…rs

Mas existe o pânico depois do 11 de setembro, o que faz com que você seja frequentemente registrado e escaneado.

Uma informação que ninguém nunca me deu:

Quando pegamos voos internos nos EUA, você paga um valor por cada mala que não seja equivalente à bagagem de mão – bolsa + mala pequena, até 5kg.

Paga-se, em média U$ 20 pela primeira mala e U$ 30 pela segunda (de cada passageiro).

Esses valores não se aplicam aos voos de ida e volta para o Brasil, somente aos dentro do país.

E nos voos internos comida (= salgadinhos e batatas fritas) é paga. Você só tem direito à bebida. Uma batata frita daquela Stax custa U$ 3.

Em compensação não fazem nenhuma objeção em entrar com comida e bebida no voo. Mas esta só pode ser comprada depois que você passa pela revista policial e vai para sala de embarque.

Não se preocupe porque as salas de embarque dos aeroportos americanos tem várias opções de lanchonetes, máquina de vendas de comida e bebida, além de lojinhas super legais.

Não é barato fazer programas culturais ou visitar pontos turísicos.

A maioria dos preços de ingressos gira em torno de U$ 30.

Uma boa dica são os “passes”, que são “bloquinhos” que dão direito a certo números de atrações (4, 5, 7, 9…) São vários tipos diferentes, que variam de acordo com os lugares que quer visitar. Você pode economizar em torno de U$ 30 comprando um desses passes.

Para quem não conhece nada nos EUA é uma ótima opção.

Meio cara (U$75 para 6 atrações), mas vale à pena, porque evita que você fique nas enormes filas para comprar ingresso.

Uma observação: Para ir à Estátua da Liberdade são necessários dois ingressos – um para o barco que te deixa na ilha e outro (U$ 15) para subir no monumento.

Em lugares como hotéis, restaurantes e transportes dependem das gorjetas como acréscimo em seus salários. Segue uma idéia uma idéia de quanto dar de gorjeta por serviço:

Porteiro de hotel: US$ 1 por chamar um táxi

• Porteiros e mensageiros: US$ 1 a US$ 2 por mala

Garçons e barmen: 15% a 20% do total da conta
 (normalmente eles já cobram 18% de serviço quando te entregam a nota)

Motoristas de táxi: 15% a 20% do total da corrida

• Gorjetas para outras equipes de serviços, como porteiros de teatros e lanterninhas, guias turísticos e equipe de chapelaria são sempre apreciadas.

Não se come bem, até porque não é barato.

Eles estimulam o consumo e sabem como fazê-lo.

Os apelos são enormes. Seja pela quantidade absurda de produtos oferecidos ou pelos preços (tem produto para todos os bolsos).

E isso vai desde carros (chega a dar raiva ver os preços e condições de se comprar um carro lá) até produtos de farmácia.

 

Quase todas as lojas tem um cartão de desconto ou que acumula pontos para serem trocados por produtos.

Outras, como a Macy’s tem cartão com descontos de 10% para turistas (visitor’s card). Basta procurar o Visitor’s Center, apresentar seu passaporte, pegar seu cartão e se jogar.

A Sephora tem o Beauty Insider, que te dá um brinde a cada compra. E os brindes variam para cada loja. A dica é fazer suas compras aos pouquinhos, para pegar um brinde cada vez  (confesso que não tive tempo nem paciência para ficar fazendo várias comprinhas).

A oferta de amostras já foi melhor, até em revistas. Hoje eles só dão amostra se sentirem que você hesitou em comprar algo, para te estimular.

Se você comprar demais ou mais de um mesmo produto, o preço do segundo diminui ou eles te dão brindes especiais.

Todas as lojas são lindas, grandes e te estimulam visualmente a comprar. Ou pelo menos a querer comprar.

Resumindo, os EUA são a meca do consumo.

Quem for ao país, junte um dinheirinho ou, como eu, vá preparada para sucumbir à vontade de levar a dúzia colorida (#Liliane) de tudo que vê pela frente.

De toda maneira, é muito bom viajar! Aproveitei cada minuto.

 

Beijos e boa noite de Natal para todos!


 
 Política de conteúdo e divulgação: 
Os produtos e serviços resenhados e mostrados no DZLBLOG pertencem à autora ou são cedidos pelas empresas ou estabelecimentos em cartáter de cortesia e/ou divulgação. 
As considerações feitas sobre os produtos e serviços testados/mostrados refletem as reais opiniões da editora.
Em caso de publicidade, os referidos posts levarão as "tags" #ad ou publieditorial.

4 Comentários

  1. Mari ;]

    28 de dezembro de 2009 em 07:04

    ahhh
    mas q lá é mt bom é…
    e nao tem como nao exagerar..
    quando vc ve a vantagem de comprar coisas la! td é absuradmente mais barato q aqui..
    e uma dica.. cuidado c as lojas de conveniencia dos postos.. elas costumam ser mais carinhas!
    bjss

  2. Mi

    25 de dezembro de 2009 em 12:42

    NECESSITO fazer uma viagem dessas, urgentemente!

  3. Mali

    24 de dezembro de 2009 em 16:30

    Faço das suas as minhas palavras… Td eh grande. Td eh iluminado, td eh consumo. Só faltou falar dos eletrônicos.. td mundo tem iphone… O wii sai por mais da metadeeeee do preço do que eh vendido aqui. (sem contar os jogos… aqui… facas…)

    Por isso eh q eu trabalho um ano inteiro.. so pra me jogar nos EUA (aleas… as farmácias são tuuuudo de melhor!!)

Deixe sua opinião ou comentário